Uma reflexão sobre a prevenção

artigo May 01, 2020

Questão: “Serão os vírus hoje mais fortes ou os sistemas imunes da actualidade estão mais fracos?”

Segunda questão: e porquê?

A máquina do tempo

Um dos meus professores enfatiza o olhar para os anciãos como forma de podermos observar um estado que, como humanos, faz parte do nosso desenvolvimento. Esta observação dá-lhe a possibilidade de escolher o que gostaria de ser “quando for grande” e que aquilo que faz no momento presente vai influenciar profundamente quem quer ser, ou não, no futuro.

Olhamos assim para outro ser humano com 5, 10, 20 anos ou mais que nós e temos uma máquina do tempo.

Em tempos de crise

Em tempos desafiantes podemos auferir o que acumulamos em termos de vitalidade, que nos permite viver esses mesmos desafios com resiliência e aceitação integrada com o corpo, a mente e as emoções.

É ainda incómodo quando viajamos no tempo e nos vermos com 60, 70, 80 anos ou mais e nos deparamos quão a vida é frágil e que frequentemente não encaixa na frase “longevidade com qualidade”, mas sim numa “longevidade zombie” assistida por meios externos ou paliativa.

Poderá ser incómodo pessoal e socialmente realizar que o propósito da nossa vida pessoal e social até aqui esteve mais vocacionado para tratar situações agudas, ou manter o desconforto a um nível suportável, utilizando meios externos, maioritariamente químicos, do que investir parte da nossa vida diária em criar reservas orgânicas, pela prevenção e criação de hábitos saudáveis regulares e consistentes.

Na teoria

Não deveria ser tão grande o número de idosos de uma sociedade que perecem a gripes e outros surtos infecciosos de forma tão díspar das outras camadas etárias.

A “máquina do tempo” mostra assim que mantendo as condições actuais, é este o futuro.

A viagem está agora a começar

Um avião em Nova Iorque que mude de rota um grau na sua orientação, à medida que vai viajando, vai ficando cada vez mais longe do destino original - mudou apenas um grau.

O que significa que também em nós, a mudança de hábitos, por mais pequena que seja poderá transformar a nossa vida que vivemos agora de forma radicalmente mais sustentável no futuro.

Não é nada esotérico mas totalmente fisiológico que:

As escolhas que um corpo e uma mente banhada por um sangue mais alcalino, resultante de uma alimentação mais equilibrada, pode fazer, comparativamente a um outro corpo com uma mente em desassossego e sofrimento, resultado de uma predominância de alimentos que acidificam o corpo profundamente, como todos os produtos altamente processados e refinados o fazem.

Que:

O potencial que músculos, tendões e articulações mais disponíveis, resultado de uma prática diária de movimento nutritivo, podem desenvolver e permitir uma melhor relação com a gravidade, com a dor ou com a ausência dela e uma viagem no tempo mais optimista e mais graciosa.

E que:

A transformação que os hábitos simples conferem a qualquer ser humano que os pratique, como uma boa mastigação, o jejum, o descanso, o sedentarismo, a desconexão, a interacção social nutritiva ou a sintonização com as estações do ano, para suportar as suas escolhas mais profundas em direcção ao seu Sonho.

Então:

Se a nossa vida pode mudar radicalmente com um passo que este passo seja no sentido do bem estar e fortalecimento da nossa sustentabilidade pessoal e relação com os outros.

Daqui a 6 meses - mais coisa menos coisa

Em outubro haverá como todos os anos o início da estação da gripe que dura habitualmente as estações mais frias. Seja esta gripe pandémica ou não.

Entretanto, há mais dois mil anos refreia-se a importância da primavera como a estação para fortalecer “as nossas intenções para ser saudável”.

Porque faz parte da história humana que as estações mais frias são as mais desafiantes para o corpo e sistema imune, são também estas estações que espelham a nossa relação com meia idade e a velhice. Tal como a primavera espelha a nossa relação com a infância e o verão com a idade adulta.

A sabedoria que acumulamos daqui até à chegada destas estações do ano, ou estações da nossa vida, que as estações mais frias espelham é crucial. Diria mesmo crítica, como indivíduos e sociedade.

Hoje, aqui e agora é-nos dada a oportunidade de mudar o futuro desviando nem que seja um grau na direcção da nossa sustentabilidade pessoal e social.

Duas questões:

  1. Queremos fazê-lo?
  2. Como fazer?

Se a resposta á primeira pergunta é do âmbito pessoal, a resposta à segunda é o que temos estado a desenvolver, desde Março 2020, no Regenerar, resultado da nossa experiência em sustentabilidade humana com mais de 20 anos.

Temos estado a divulgar vídeos diários na nossa página, com práticas de fortalecimento interno diárias, simultaneamente criámos um programa de hábitos saudáveis e de sintonização com as estações associado a uma app a Regenerar App.

Acreditamos que quem gostou do livro Regenerar, vai gostar ainda mais desta app, onde este livro ganha vida no seu dia a dia, com exercícios e apontamentos diários, receitas, podcasts e sugestões para criar motivação, suporte e propósito à sua intenção de ser saudável.

Ontem com a formalização da parceria com o Instituto Macrobiótico de Portugal, mais conteúdo e informação será de uma forma regular adicionado.

Para que todos os dias possa dar esse passo, criar essa transformação, para apontar a sua máquina do tempo num sentido de uma longevidade mais consciente e com maior qualidade.

Seja amanhã, daqui a 6 meses ou as décadas que se permita viajar.

Subscreva hoje e receba 50% de desconto no primeiro mês.

Boas práticas.

---

Partilhamos aqui os primeiros 5 minutos do Episódio dos podcasts mensais -  hoje divulgado na Regenerar APP - Boas audições 

 

 
Close

50% Complete

Two Step

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.